Prefeitura Municipal de Passa Tempo

Você sabia?
Imprimir Email

Institucional

História

por Biblioteca do IBGE

13/02/2013 10:00

A região primitivamente era habitada pelos índios Carijós que viviam nas cabeceiras do Rio Pará.

Posteriormente, foram expulsos pelos Cataguases, que ocuparam quase toda Minas Gerais.Alguns elementos da bandeira de Fernão Dias Paes Leme, possivelmente pisaram o solo domunicípio de Passa Tempo. Em 1670, o bandeirante Lourenço Castanho Taques embrenhou- se nos sertões de Minas Gerais a fim de expulsar os Cataguases. Ele foi um dos que também pisaram o solo dessa região e, possivelmente, o criador do topônimo Passatempo.

 

Em 1734, Manoel Francisco Barrosas penetrou nos Matos ou Paragem do Passatempo e solicitou Sesmaria. Em 1747, outros solicitaram sesmarias, como: Brás da Rosa, Manoel da Rosa, Estevam Reis Mota, Mathias Neto, Manoel Roiz de Castro, Antonio Rodrigues e Domingos Ferreira, Manoel Roiz Coimbra e Manoel Pacheco Barrozas, Gregório Francisco Pereira (1768) e Domingos Vieira da Motta (1754). Em 1760, foi doada uma légua de terras em quadro, para o patrimônio de uma capela, em honra a N.S. da Glória, por Braz da Costa e sua mulher Ana Moreira. Construída a capela, em volta dela surgiu o arraial. Em 14.07.1832, Passa Tempo foi elevada à condição de Paróquia, tendo como Vigário o Padre José Fabião Cordeiro.

 

O nome Passa Tempo, datado do século XVIII, tem duas versões: a primeira seria uma denominação criada pelos bandeirantes que, ao fazerem pouso na região, diziam: ' vamos passar o tempo ali' (descansar). E, posteriormente, outros diziam :' vamos parar no Passatempo', daí nasceu o nome Paragem do Passatempo ou Matos do Passatempo. Existe também uma lenda que fala de duas velhinhas que viviam a fiar à porta de sua casa e, quando algum viajante passava por ali as perguntava : 'Como vão minhas senhoras?' – elas respondiam: ' Vamos passando o tempo', daí teria surgido o nome 'Passa Tempo'. Devido a isso, o município adotou como símbolo “duas velhinhas fiando a roca.

 

Gentílico: passa-tempense

 

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Passa Tempo, pelo decreto de 14-07-1832, e lei estadual nº 2, de 14-09-1891, subordinado ao município de Oliveira. Elevado à categoria de vila com a denominação de Passa Tempo, pela lei estadual nº 556, de 30-08-1911, desmembrado de Oliveira. Sede na vila de Passa Tempo. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-06-1912.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, a vila é constituído do distrito sede. Assim permanecendo nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-IX-1920. Elevado à condição de cidade com a denominação de Passa Tempo, pela lei estadual nº 893, de 10-09-1925. Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito

sede. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pelo decreto-lei estadual nº 148, de 17-12-1938, Passa Tempo adquiriu do município João Ribeiro o distrito de Rio do Peixe. No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1944, o município é constituído de 2 distritos: Passa Tempo e Rio do Peixe.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1950. Pela lei 1039, de 12-12-1953, desmembra do município de Passa Tempo o distrito de Rio do Peixe. Elevado á categoria de município com a denominação de Piracema.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.



Matérias relacionadas

    Final do corpo do documento e conteúdo da página